Cafeicultura - Café Conilon

O Espírito Santo é o maior produtor de café conilon do Brasil, responsável por entre 75% e 78% da produção nacional. É responsável por até 20% da produção do café robusta do mundo. O café conilon é a principal fonte de renda em 80% das propriedades rurais capixabas localizadas em terras quentes. É responsável por 35% do PIB Agrícola. Atualmente, existem 283 mil hectares plantados de conilon no Estado. São 40 mil propriedades rurais em 63 municípios, com 78 mil famílias produtoras. O café conilon gera 250 mil empregos diretos e indiretos.

O Estado é referência brasileira e mundial no desenvolvimento da cafeicultura do conilon, com uma produtividade média que já alcançou 35 sacas por hectare (sc/ha). Muitos produtores tecnificados chegaram a colher mais de 100 sc/ha. A produtividade evoluiu muito nos últimos 25 anos, graças às tecnologias desenvolvidas pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) em parceria com diversas instituições.

Os maiores produtores de café conilon do Espírito Santo são os seguintes municípios:  Jaguaré, Vila Valério, Nova Venécia, Sooretama, Linhares, Rio Bananal, São Mateus, Pinheiros, Governador Lindenberg, Boa Esperança, Vila Pavão, São Gabriel da Palha, Colatina e Marilândia.

No Espírito Santo, cerca de 70% das lavouras de café conilon são conduzidas com irrigação. O tamanho médio das lavouras é de 8,0 hectares, conduzidas pelas famílias dos produtores. As plantações vêm sendo renovadas sob nova base tecnológica na ordem de 7% ao ano. Os cafeicultores que utilizam as recomendações técnicas do Incaper têm alcançado produtividade superior a 80 sacas beneficiadas de café por hectare, e produto final de qualidade superior.

Veja a caracterização do cultivo do café conilon no Espírito Santo nas diferentes regiões:

Região Noroeste - Constituída por 17 municípios: Alto Rio Novo, Governador Lindenberg, Marilândia, Agua Doce do Norte, Ecoporanga, Mantenópolis, Alto Rio Novo, Agua Doce do Norte, Baixo Guandu, Colatina, Pancas, São Gabriel da Palha, Nova Venécia, Boa Esperança, Vila Valério, São Domingos do Norte e Águia Branca. Representa cerca de 47% de área (112 mil ha em produção) e 41,50% produção (4,130 milhões de sacas/ano). A produtividade média de 36,87 sacas/há (dados de 2014). A cafeicultura está localizada em região de topografia mais acidentada, predominantemente de pequenos produtores de base familiar com bom nível tecnológico. Mais de 70% da cafeicultura na região é irrigada.

Região Nordeste - Constituída por 15 municípios: Mucurici, Montanha, Ponto Belo, Pedro Canário, Pinheiros, Conceição da Barra, São Mateus, Jaguaré, Sooretama, Linhares, Rio Bananal, João Neiva, Aracruz, Fundão, Ibiraçu. Com base nos dados de 2014, a região representa cerca de 33% de área (86mil ha em produção) e 41% da produção (4,080milhões de sacas/ano). A produtividade média de 47,25 sacas/ha. A cafeicultura está localizada em região de topografia predominantemente plana. Os produtores possuem bom nível tecnológico, e mais de 90% das lavouras são irrigadas.

Região Centro Serrana - Constituída por 12 municípios: Afonso Claudio, Laranja da Terra, Itarana, Itaguaçu, Santa Tereza, São Roque do Canaã, Santa Leopoldina, Conceição do Castelo, Cariacica, Serra, Viana, Vila Velha. Com base nos dados de 2014, a região representa cerca de 9% (23 mil ha em produção) da área e 8,3% da produção (824 mil sacas/ano).  A produtividade média de 35,87sacas/ha. A região centro serrana possui topografia mais acidentada. A cafeicultura na região é predominantemente de pequenos produtores de base familiar, que possuem médio nível tecnológico. Mais de 60% das lavouras são irrigadas.]

Região Sul Caparaó – Constituída por 20 municípios: Alfredo Chaves, Anchieta, Guarapari, Iconha, Piúma, Rio Novo do Sul, Alegre, Iúna, Muniz Freire, Apiacá, Atílio Vivacqua, Bom Jesus Do Norte, Cachoeiro de Itapemirim, Castelo, Jerônimo Monteiro, Muqui, São José dos Calçados, Vargem Alta, Itapemirim, Presidente Kennedy. Com base nos dados de 2014, a região representa cerca de 11% (28,60 mil ha em produção) da área e 9,30% da produção (916 mil de sacas/ano).  A produtividade média de 32,38sacas/ha. Cafeicultura localizada em região de topografia mais acidentada, predominantemente de pequenos produtores de base familiar, com predomínio de produtores médio tecnológicos, cerca de 20 % irrigada

<<voltar

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard
Google Analytics - Incaper