Plantas Aromáticas, Condimentares e Medicinais

O Incaper possui atuação com plantas aromáticas; condimentares, com destaque para a pimenta-do-reino e pimenta rosa (aroeira); e medicinais, tanto no âmbito da pesquisa como da Ater.

Com o objetivo de ordenar, orientar e fomentar a cadeia produtiva de plantas com princípios bioativos, diversas ações têm sido realizadas. Entre elas, podem ser citadas pesquisas em parceria com Instituições de ensino, entidades públicas e privadas para avaliação química das plantas medicinais cultivadas em diversas regiões do Estado; e a manutenção de um banco de germoplasma de plantas medicinais no Centro de Educação Ambiental de Jucuruaba (Ceaj), na Fazenda Experimental Engenheiro Agrônomo Reginaldo Conde, município de Viana, visando à seleção de plantas com altos teores de princípios ativos.

O estudo de plantas com princípios bioativos se faz necessário para atender a demandas na agricultura e subsidiar ações surgidas pela criação da Política Nacional da Plantas Medicinais e Fitoterápicos e a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do Sistema Único de Saúde (SUS).

As plantas com princípios bioativos são aquelas que possuem alguma ação sobre outros seres vivos e cujo efeito pode se manifestar tanto pela sua presença em um ambiente quanto pelo uso direto de substâncias delas extraídas, desde que mediante uma intenção ou consciência humana desse efeito. São consideradas nesse contexto as plantas medicinais, aromáticas, condimentares, inseticidas, repelentes e tóxicas.

Esses produtos diferenciados da agricultura seguem tendência de um mercado em expansão cujos usos são diversos, desde controle de pragas e doenças em culturas agrícolas, até em produtos de higiene pessoal, cosméticos, perfumaria, corantes, aromatizantes, uso medicinal, bebidas e alimentos.

No caso da pimenta-do-reino, uma cultura em expansão no Espírito Santo, o Incaper executa um projeto de pesquisa em melhoramento genético da planta, na Fazenda do Instituto em Linhares, com o objetivo de desenvolver variedades mais resistentes a doenças. Também já foram feitas pesquisas sobre pragas e doenças nessa planta. Além disso, o Instituto orienta, por meio de ações de Ater, agricultores que já possuem ou querem iniciar o cultivo da pimenta-do-reino.

 

Ações de pesquisa e Ater

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard